Distinção entre Dever, obrigação, ônus e sujeição.

O universo jurídico está cheio de jargões, ou seja, termos técnicos, usados para identificar diferentes institutos jurídicos.
Dentre eles estão os seguintes termos: dever, obrigação, ônus e sujeição. São palavras comuns em contratos, aditamentos, notificações, petições iniciais, dentre outros.
Acontece que por vezes, tanto os estudantes, como os operadores do direito e o público em geral, tem dificuldades em diferenciar os significados, e não raro acabam tratando como sinônimos.
De modo claro e objetivo, esse texto pretende trazer a diferença entre os institutos: dever, obrigação, ônus e sujeição.

Dever

É o comando imposto pelo direito objetivo, através do qual o sujeito deve observar determinada conduta, sob pena de sanção, trata-se de gênero do qual obrigação é espécie.

Obrigação

É um termo restrito, aplicável à relação credor-devedor, seu objeto é a prestação, que via de regra é aplicável aos contratos.

Ônus

É a exigência que o sujeito pratique determinada conduta sob pena de não alcançar um benefício, ou eventualmente suportar uma desvantagem.
O ônus não é uma penitência, como muitos imaginam. Por exemplo, o ônus da prova ou o ônus de registrar a escritura de um imóvel, são formalidades presentes em determinadas circunstâncias jurídicas.

Sujeição

O estado de sujeição se opõe a um direito potestativo (aquele que não admite contestações), que pode ser exercido sem a concordância, ou mesmo contra a vontade da outra parte.
Por exemplo, a revogação de um mandato ou demissão do emprego.
Gostou?
Veja também nosso canal no youtube, lá você pode acompanhar conceitos importantes, explicados por nossos colaboradores.

Vícios do Consentimento: Dolo
Código Civil de 1916 e 2002: A conquista da autonomia da mulher.

Posts relacionados

2 Comentários. Deixe novo

  • Fico bastante satisfeito e agradecido por ter sido recebido neste grupo e dele receber e interagir no sentido de conhecer as bases fundamentais do Direito no seu geral e teoria geral de Direito civil em particular. Gostaria também de ter conhecimentos do método do Direito como ciência. Agradeço pela atenção dispensada nesta minha humilda solicitação. Um abraço a toda equipe do fato jurídico!

    Responder
  • Bruna de Oliveira
    abril 8, 2019 5:22 am

    Muito bom, gratidão.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu