CURIOSIDADES SOBRE O GRAU DE ALGUNS SUBSTANTIVOS

Os substantivos podem ser flexionados em grau – aumentativo ou diminutivo – expressando, de acordo com quem os emprega, exagero, admiração, ironia, desprezo, afeto, carinho etc. Na oração “Ele levava uma vidinha que não quero para mim”, o diminutivo “vidinha” expõe o desprezo por parte de quem fala. Já em “Era um cãozinho que alegrava a casa”, o uso do diminutivo demonstra afeto obviamente.

Existem dois processos de formação do grau dos substantivos – o processo sintético ou o analítico. No sintético, eu acrescento sufixos à forma normal, como gatinho / gatão; no analítico, utilizo adjetivos: gato pequeno / gato grande. Até aí, nenhuma novidade… e nem é sobre isso que quero escrever hoje.

Quero chamar a atenção do leitor para o fato de que alguns substantivos no diminutivo ou no aumentativo sintético acabaram por “se desgarrar” de sua forma original, adquirindo um novo significado, como se fossem palavras novas e não derivadas de outras. Vamos a alguns exemplos para que a coisa fique clara!

Um dos diminutivos possíveis de “folha” é “folhinha”. Com o passar do tempo, porém, esse vocábulo passou a designar “calendário”, principalmente nos bairros onde os donos de padarias, quitandas, empórios e açougues costumam presentear seus clientes com esses brindes que levam, claro, o nome do estabelecimento – ao mesmo tempo em que presenteiam e cativam o freguês, fazem a propaganda de seu negócio no início de cada ano.

Outro caso interessante vem a ser a palavra “cascão”. “Cascão” é o aumentativo de casca, lógico, mas vamos notar que o termo passou a designar “sujeira” – lembro que a mãe da gente, quando chegávamos do futebol na rua, mandava que os filhos entrassem logo no banho e “esfregassem bem o corpo para tirar o cascão”. Fácil lembrar também do famoso personagem de Maurício de Souza, o amiguinho do Cebolinha que detesta tomar banho e tem medo de água – Cascão, o simpático menininho cujo animal de estimação é um porquinho.

Que tal nos lembrarmos de “cavalete”? “Cavalete” é um dos possíveis diminutivos de cavalo, é certo, mas passou a nomear, entre outras coisa, uma “estrutura móvel, por vezes dobrável, com três pés, que serve de suporte para tela, prancha de desenho, quadro negro etc.”, segundo o Dicionário Houaiss.

Mais um exemplo que me ocorre agora vem a ser “portão”. Basta lembrar que o termo é um dos aumentativos de “porta”… mas já notaram que “portão” normalmente é um termo usado para a entrada principal ou (secundária) de uma casa e, mais, que normalmente o portão (apesar do sufixo “ão”) é menor do que a porta? O mesmo acontece com “salão”: embora seja o aumentativo de “sala”, nem sempre suas dimensões são tão amplas assim. Casos há em que um “salão de beleza”, por exemplo, é menor do que uma sala de estar de uma casa ou de um apartamento. O curioso é que, quando se usa o termo “salão”, faz-se referência a um estabelecimento não residencial – salão de baile, salão de beleza, salão de reuniões religiosas etc. Não se leva muito em conta a dimensão do recinto.

“Película” é um outro exemplo. Ainda que se use o termo para se falar de “uma pequena pele” ou “uma pele muito fina”, a palavra ficou muito associada ao cinema, designando exatamente um filme. (Lembro da primeira vez que li uma crítica no jornal na qual o autor usava “película”; eu era moleque e não entendi nada…)

Quando se fala em “ferrão”, dificilmente se pensa no aumentativo de “ferro”. “Ferrão” passou a ser uma palavra com sentido independente, uma palavra com a qual as pessoas se referem, por exemplo, à extremidade pontiaguda presente na cauda dos escorpiões. É com o “ferrão” que ele inocula o veneno em suas vítimas. Alguns insetos também possuem um “ferrão”.

A palavra “orelhão” é um outro exemplo que se encaixa aqui. Em décadas passadas pré-celular e com os telefones residenciais custando o olho da cara, o telefone público era a solução para muita gente. Ele normalmente ficava “protegido” pelo “orelhão”. Assim, o termo ganhou vida própria, designando telefones públicos que, infelizmente, eram constantes alvos de vandalismo nas ruas do país. E aqueles orelhões eram muito úteis – primeiro com fichas, depois com cartão… assunto certamente estranho para a garotada de hoje.

No campo da (deliciosa) culinária, temos o “beijinho”. Para muitos frequentadores de festas de aniversário, o doce de coco rivaliza com o brigadeiro como estrela da mesa de acepipes, como diria meu avô. “Beijinho”, além de ser o diminutivo de “beijo”, é o nome da iguaria – mas, nesse caso, não se pode dizer que tenha perdido seu significado original como os outros exemplos acima.

Se pararmos para pensar, muitos são os casos em que o diminutivo ou  aumentativo adquiriram “vida própria”. Quando se fala em “caixão”, não se está falando de uma “caixa grande”: para isso, usamos “caixona” – “caixão” remete-nos imediatamente ao campo semântico da morte. Quando usamos o termo “lingueta”, dificilmente estamos nos referindo a uma “língua pequena”, pois “lingueta” seria “uma espécie de ferrolho pequeno para trancar porta, janelas etc.”, segundo o mesmo Houaiss.

Mais um exemplo? “Cartão”. Não utilizamos esse termo para falar de uma carta longa, volumosa, composta de muitas páginas. O “cartão” é mais consistente, feito de um material mais duradouro e, ironicamente, é pequeno. Há o cartão comercial  que dentistas, médicos, advogados etc. dão a seus clientes.

E lembrei também do cartão postal, tão obsoleto hoje quanto um orelhão – o celular, quem diria, sepultou os dois!

 

O TEMPO
DAS RELAÇÕES HUMANAS – I

Posts relacionados

No results found

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Menu